Eu aprendi a conviver com o meu linfedema


imagem da internet
Tenho 47 anos e linfedema na perna direita desde os 20. O surgimento do linfedema foi um episódio da minha juventude que na altura nem avaliei bem, até porque o problema surgiu primeiro mitigadamente e só depois evoluiu. Na altura, mais do que preocupar-me com o incómodo ou as futuras consequências físicas do problema, preocupava-me o facto de as pessoas me questionarem sobre o aspeto que a minha perna tinha. Isto porque, inicialmente, não fiz qualquer alteração na minha forma de vestir, usava aquilo que me apetecia, e portanto o linfedema estava visível. Com o tempo deixei de usar saias. Inicialmente foi sobretudo para não ser indelicada com as pessoas que me questionavam sobre uma coisa que eu achava que apenas a mim dizia respeito mas depois tornou-se uma rotina que se revelou importante na gestão do problema físico.

Entretanto tive e tenho três filhos maravilhosos (hoje dois adultos e uma adolescente), os quais nasceram todos de parto natural (sem qualquer anestesia pois não precisei) e que, felizmente, nada “herdaram”. Tenho uma vida profissional que me permite viajar para perto e para longe com frequência, o que me dá imenso prazer. E tenho suficientes âncoras de felicidade na minha vida que me permitem, e sempre permitiram, viver com esta patologia sem me sentir limitada.

Na verdade não posso dizer que o linfedema tenha feito uma alteração enorme na minha vida. Acho que sou uma otimista, com tendência a ver sempre “o copo meio cheio” e portanto, de facto, considero que esta situação não teve impacto na minha vida familiar ou profissional.

É uma patologia incómoda?
Sim, mas tenho para mim que em nome da nossa saúde mental o melhor é aprender a viver com ela criando hábitos novos, adequados; no meu caso deixei de vestir saias, apenas uso calças, mais largas que o habitual (o que por vezes é difícil de conseguir comprar) e tomo de dois em dois meses injeções de penicilina para prevenir infeções da perna. Mas claro que diferentes manifestações do linfedema podem requerer outras adaptações.

Para mim, conclui, passados 27 anos sobre o aparecimento desta condição, o importante é perceber, com toda a certeza, que o linfedema não determina a minha vida e que há muita coisa e muita gente à minha volta que me torna feliz. E nunca, mas nunca, deixar de fazer o que me dá contentamento, porque a chave para o “insucesso”  da doença é contrariá-la com objetivos e sem me limitar. 

O que digo apenas expressa a minha convicção de que um linfedema, pelo menos num caso como o meu, não é um obstáculo, pois hoje com 47 anos continuo a achar, como quando tinha 20, que este é apenas um episódio da minha vida, a qual tem felizmente muitos outros, e portanto o balanço que faço não é de sofrimento mas sim de aprendizagem de uma “saudável convivência” entre mim e o linfedema.

Ana d.
linfedema primário


no FB está aqui

1 comentário:

  1. O doutor Godoy trata linfedema e o resultado é excelente tel 01732326362

    ResponderEliminar

O seu comentário é muito importante :)
Identifique-se sempre, por favor.
Muito Obrigada :)
Manuela (L de linfa)